quarta-feira, maio 18, 2005

Sinto-me só como um seixo de praia...



Sinto-me só como um seixo de praia
Vivendo a busca no cristal das ondas,
Não sei se sou o que não sou. Pressinto
Que a maré vai morar no fundo d’alma.

Calo-me sempre se te escuto vindo
Marulho de incerteza e de agonia;
Há crenças deslizando nos meus traços,
Molhando a estátua do meu sonho antigo.

Declino-me nas frases dos rochedos
Nas pérolas de som do inesquecer
Na incrível sombra da montanha adulta

E ao me curvar ao peso da memória.
Descubro meu reflexo obscuro
Num soneto de espumas inexatas.

(Vinicius de Moraes)


Metamorfose..Foto do meu
fotógrafo favorito a quem dedico o post.

19 Comments:

Anonymous christina said...

fotografia comme sempre...magnifico!
O pèma è sensivel e com uma exaltation!
BJ

8:13 da manhã, maio 18, 2005   Edit
Blogger zm said...

Bom material!
Um abraço.
ZM

8:51 da manhã, maio 18, 2005   Edit
Anonymous Anónimo said...

Nem sei o que dizer... é uma honra estar outra vez aqui e "ouvir" as tuas palavras de amizade. Obrigado Pedro, por me receberes desta forma em tua "casa"!

Aquele Abraço!

Victor Melo

9:01 da manhã, maio 18, 2005   Edit
Anonymous NS said...

O poema é um pouco triste, porém demonstra como se pode estar no meio de uma multidão e sentir-se só. Como um seixo.

9:28 da manhã, maio 18, 2005   Edit
Blogger Desconhecida said...

Acho a foto fantástica!

10:13 da manhã, maio 18, 2005   Edit
Anonymous zezinho said...

Magnífico Pedro. Este teu espaço tem vindo a crescer. Parabéns pelo magnífico trabalho que tens desenvolvido.
Abraços

12:24 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Anonymous zezinho said...

Desculpa. O endereço do blog é outro.

12:24 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Grilinha said...

Bela foto e bem acompanhada com um poema magnifico. Hoje o verde é esperança e cá em casa 50% já está de lugar cativo no sofá.

12:35 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Viuva Negra said...

A foto esta simplesmente divinal !!!

12:56 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Anonymous Cetus said...

Excelente foto, bonito poema, boa sorte para a lagartagem são 15 kg de prata que dá um orgulho enorme a este país.

2:05 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Azenhas said...

reparem que subtilmente as pedras estão... verdes. SPOOOOOORTEIM!

3:14 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger objectiva3 said...

Fotografia e poema em sintonia de sensações...

:)

4:19 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Catty said...

Lindo....eu nao diria melhor...
o subtil do verde é que só pode ser esperança...
Este é um blog imbativel...
O meu sorriso de Parabens

5:59 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Catty said...

Lindo....eu nao diria melhor...
o subtil do verde é que só pode ser esperança...
Este é um blog imbativel...
O meu sorriso de Parabens

5:59 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger João Scottex said...

Bela!

6:14 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Viuva Negra said...

essa das pedras estão verdes esta de demais , até já deve estar com febre não !?!??
SPOOOOOOOORRRRTTTTTTTTTTTTTTIIIIIIIINNNNNNNNNNNNNNgggggggggggggggggggggggggggggggg

7:05 da tarde, maio 18, 2005   Edit
Blogger Benjamim said...

tens bom gosto o gajo tem fotos lindas

2:00 da manhã, maio 19, 2005   Edit
Blogger Elvira said...

Encantador...!

4:17 da tarde, maio 19, 2005   Edit
Anonymous A. Duarte e Lázaro said...

Bem... um poema fabuloso do meu poeta favorito, completado por uma imagem belíssima!
Faz pensar na solidão do ser humano, rodeado de tanta gente e tantas vezes só, preenchido por memórias das ondas que vão e vêm, banhando-o, marcando-o.
Lindo...

12:16 da manhã, maio 20, 2005   Edit

Enviar um comentário

<< Home