quarta-feira, julho 20, 2005

Piscina sem água...

dia D

Foto de Nuno Á Beira Mar.

Na edição do Jornal da Região de ontem, 19 de Julho, vem na capa um artigo exaustivo sobre a piscina das Azenhas do Mar. Transcrevo um pouco:
"Um mês e meio após o início da época balnear, a piscina natural das Azenhas do Mar, continua sem condições para usufruto da população. Completamente assoreada e sem manutenção, a piscina transformou-se num grande areal, onde faltam as mais básicas infra-estruturas de apoio. O Parque Natural Sintra-Cascais remete as responsabilidades para o concessionário do espaço. Este alega não ter tido resposta às propostas apresentadas."

Factos:
- A piscina está com areia lá dentro porque é uma piscina oceânica, logo é o mar quem manda. Faz parte da natureza.
-O mesmo mar, depois de colocar lá a areia virou a sul e tem estado calmo. Tão calmo que não enche a piscina e formou uma praia na enseada.
-O PNSC acusa o concessionário de não existirem balneários, nem casas de banho. As condutas de esgoto aguardam alteração para que o João Pedro, o concessionário, as possa abrir, após pequenas obras de remodelação. Algumas casas da encosta usam a fossa do restaurante, o que obriga ao seu esvaziamento frequente. Como o João Pedro não quer uma fossa a deitar para o mar, não abriu ainda a casa de banho. Aguarda que se efectuem as obras de saneamento, com ligação às condutas que passam mais acima.
-O PNSC alega que não há vigilante na praia. O João Pedro é nadador-salvador, e é mestre na caça submarina. Já o vi entrar a nadar em mares de que até os peixes fogem.

Este é o teor da notícia pelo meu ponto de vista.
Mas eu sou suspeito.
Cada vez que se pergunta ao PNSC quando vai resolver o problema das arribas em queda, este diz que não tem verba, ou nem responde. Para apontar o dedo, o seu director salta logo para os jornais.

Este é o mesmo PNSC que há 2 anos colocou painéis de aviso sobre a queda eminente de arribas, só para que se um dia cair alguma, não ter responsabilidades.

Não gosto desta maneira de pensar o serviço público.

15 Comments:

Anonymous Cetus said...

tens razão apontar o dedo estão sempre prontos mas para fazer algo não tem verba, só não percebo como é que não tem verba, nós cada vez somos mais sacrificados e para onde vai o dinheiro?

9:22 da manhã, julho 20, 2005   Edit
Blogger Desconhecida said...

Também li esse artigo. Que fazer? É o nosso Portugal...tão pequenino!!
Bjs

9:40 da manhã, julho 20, 2005   Edit
Blogger lilla mig said...

Que pena... :(

11:06 da manhã, julho 20, 2005   Edit
Blogger Viuva Negra said...

De facto , já muitas vezes tinha colocado essa questão a mim mesma como era possivel, num local priveligiado, nada ser feito ... deve ser como as casas da primeira linha abandonadas , devem estar a espera de serem compradas pelo amigo do presidente ou do vereador , para se alterar o PDM e ser permitido a remodelação e aumento de area de construção ... aiaiaiaiia este pais ....

12:13 da tarde, julho 20, 2005   Edit
Anonymous christina said...

Foto que adoro!!!
Nao sei que fazer por este problèma,e triste de ver isso!

12:21 da tarde, julho 20, 2005   Edit
Blogger Alexandre Narciso said...

De facto existe por aí mta contradição. A administração publica tem de ser mais coerente.
Abraço

1:22 da tarde, julho 20, 2005   Edit
Anonymous contra-indicado said...

Queres que mande entregar uma vaquinha aos senhores que mandam no PNSC?

1:47 da tarde, julho 20, 2005   Edit
Anonymous paulo said...

O serviço publico é necessario mas fugir á responsabilidade não, devemos protestar mais e mais, chega de encolher os ombros e virar a cara porque não é connosco especialmente aos que estão a frente de uma autarquia e não tomam decisões para que o seu municipio tenha condições para qeum lá viva, porque o interese que se vê mais saõ as licenças paar construção e de restop não.
Um abraço
pr

6:37 da tarde, julho 20, 2005   Edit
Blogger Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras said...

De facto, há muito tempo que ouço falar dessa negligência da Administração em relação às Azenhas do Mar.
Depois, fico sempre muito incrédula por se apontar o dedo aos concessionários do restaurante porque, calculo eu que estes até melhoraram bastante o espaço anexo, sem que isso fosse uma obrigação destes.
Não estará na altura de se fazer algo mais forte?
Recolhemos assinaturas e enviemos um protesto para a Câmara.
Façamos uma petição.
Talvez, sejemos capazes de fazer algo mais do que só escrever sobre o assunto....até mais do que escrever uma simples tabuleta de previsão.

11:20 da tarde, julho 20, 2005   Edit
Blogger olga said...

Estive na sua terra neste último fim de semana e por acaso reparei na piscina vazia. À parte disso, mora num local lindissimo e janta-se lindamente por ai. :)

3:24 da tarde, julho 21, 2005   Edit
Anonymous Anónimo said...

Bem, caros amigo(a)s, nem tudo o dinheiro resolve... Basta sairem de Portugal e observarem que em algumas zonas semelhantes tambem se usam os cartazes... nada mais a fazer.
Para se ser nadador salvador, sera necessario estar na praia. Alguem ve um?
Miguel Madeira

5:46 da tarde, julho 23, 2005   Edit
Anonymous Ana Caeiro said...

O poder local não quer saber; o PNSC e o ICN não têm dinheiro; a política de ordenamento do território em Portugal é um fantasma; faltam medidas coercivas que obriguem todos a fazer mais pelo território!! Há pouco tempo foi apresentado o Programa Finisterra, que serviria para sustentar as arribas em erosão ao longo da costa nacional, sendo as das Azenhas do Mar um caso prioritário. Este programa, pelos vistos, perdeu-se no tempo! Quando tirei o curso de geografia pensei que podia fazer alguma coisa pelo nosso território, mas é preciso mudar mentalidades, hábitos, políticas, políticos... E nós temos de nos tornar cada vez mais interventivos, e é por isso que escrevo este post, para agradecer ao Azenhas a sua dedicação à nossa aldeia linda, Obrigada.

3:37 da tarde, julho 25, 2005   Edit
Blogger AnaBond said...

adoooooooro as azenhas.
adorava lá morar... juro.

e li esse anúncio, por acaso. torci um pouco o nariz por saber como é a piscina, mas não conheço de todo a história certa. não me parece que sejas assim muito suspeito. afinal parece-me que moras mesmo aí e melhor que muita gente sabe da realidade.

gostei do teu serviço público...

vou-te linkar, claro.

4:00 da tarde, julho 26, 2005   Edit
Anonymous (Phi)lipe said...

Pois...não gostas e ninguém gosta...mas no momento de se votar...porque não reagir de vez...será que não está na altura do povo mostrar a sua força...tal como o fez no 25 Abril??

3:52 da tarde, julho 30, 2005   Edit
Anonymous Anónimo said...

Pois, pois
Alguém se interrogou porque é que a água do mar não entra na piscina? Simples; aquando da reconstrução do muro, os Srs. Arquitectos do ICN esqueceram-se de manter a inclinação do muro, de modo que, com o mar calmo de sul, a água pudesse entrar; ainda se vai a tempo de emendar isso, se quiserem claro (ICN).
Aliás, para onde vai todo o esgoto produzido pelo restaurante do João Pedro?
Os habitantes/banhistas da praia/piscina sabem que o dito esgoto escorre diariamente para a piscina, pois as outras casas têm os seus esgotos ligados ao colector novo que foi colocado há 3 anos.
Daí que a hipocrisia que se instalou, por vezes, tolda o raciocínio face aos factos.
Este ano tive que mudar de praia quando está ondulação de norte, pois o dito esgoto vem parar à praia e aos seus frequentadores.
Em relação às arribas, consultem o mapa geológico da zona e logo entenderão porque é que elas estão a cair. A única coisa a fazer é colocar os avisos para que as pessoas sintam que, se cairem com elas, a responsabilidade é inteiramente dos prevaricadores (que insistem em ignorar os avisos).

6:58 da tarde, novembro 04, 2005   Edit

Enviar um comentário

<< Home