quinta-feira, outubro 19, 2006

Regras



"Já fiz cócegas à minha irmã só para que deixasse de chorar; já me queimei a brincar com uma vela; já fiz um balão com a pastilha que se me colou em toda a cara; já falei com o espelho; já fingi ser bruxo.

Já quis ser astronauta, violinista, mago, caçador e trapezista; já me escondi atrás da cortina e deixei esquecidos os pés de fora; já estive sob o chuveiro até fazer chichi.

Já roubei um beijo, confundi os sentimentos, segui por um caminho errado e ainda sigo caminhando pelo desconhecido.

Já raspei o fundo da panela onde se cozinhou o creme; já me cortei ao barbear-me muito apressado e chorei ao ouvir determinada música no autocarro.

Já tentei esquecer algumas pessoas e descobri que são as mais difíceis de esquecer.

Já subi às escondidas até ao terraço para agarrar estrelas; já subi a uma árvore para roubar fruta; já caí por uma escada.

Já fiz juramentos eternos, escrevi no muro da escola e chorei sozinho na casa-de-banho por algo que me aconteceu; ja fugi da minha casa para sempre e voltei no instante seguinte.

Já corri para não deixar alguém a chorar; já fiquei só no meio de mil pessoas sentindo a falta de uma única.

Já vi o pôr-do-sol mudar do rosado ao alaranjado; já mergulhei na piscina e não quis sair mais; já bebi uísque até sentir os meus lábios dormentes; já olhei para a cidade de cima e nem mesmo assim encontrei o meu lugar.

Já senti medo da escuridão; já tremi de nervos; já quase morri de amor e renasci novamente para ver o sorriso de alguém especial; já acordei a meio da noite e senti medo de me levantar.

Já apostei a correr descalço pela rua, gritei de felicidade, roubei rosas num enorme jardim; já me apaixonei e pensei que era para sempre, mas era um "para sempre" pela metade.

Já me deitei na relva até de madrugada e vi o sol substituir a lua; já chorei por ver amigos partir e depois descobri que chegaram outros novos e que a vida é um ir e vir permanente.

Foram tantas as coisas que fiz, tantos os momentos fotografados pela lente da emoção e guardados nesse baú chamado coração...

Agora, um questionário pergunta-me, grita-me desde o papel:
- Qual é a sua experiência?
Esta pergunta fez eco no meu cérebro: 'Experiência...
Experiência...'
Será que cultivar sorrisos é experiência?
Agora... agradar-me-ia perguntar a quem redigiu o questionário:
- Experiência?! Quem a tem, se a cada momento tudo se renova???"

Texto escrito por um candidato numa selecção de Pessoal na Volkswagen.
Candidato aceite.

Quebrar regras.
Arriscar.
Amar.
Da minha janela, aquele abraço.

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Que bonito, Pedro. Tantas coisas em que nunca pensámos!Quanta experiência acumulamos todos os dias e parece sempre que não aconteceu nada...
salomé

3:24 da tarde, outubro 19, 2006   Edit
Blogger Pirate said...

As regras existem para serem quebradas ? Parece que sim...em muitos casos, a imaginação suplanta a ditadura das regras :-)
Aliás esse é um dos lemas dos piratas...
Nem a VW resistiu a tanto charme criativo :-)
É bom voltar ao activo...

4:02 da tarde, outubro 19, 2006   Edit
Anonymous Paula said...

Aqui expresso tambem o meu sorriso. Palavras que importam. Experiencias que tocam, que nos oferecem essa coragem, para que as regras se possam quebrar.
Obrigado pelo sorriso!!

5:16 da tarde, outubro 19, 2006   Edit
Blogger dora said...

: )

abraço ( à margem dos catálogos )

6:23 da tarde, outubro 20, 2006   Edit
Blogger Guinevere said...

Cultivar sorrisos... uma das mais belas "profissões" do mundo.
Aos vinte e tal anos ainda pensava que podia mudar o mundo... Lá para perto dos trinta achei que podia mudar muita coisa que estava supostamente mal... Hoje, aos 35, se fizer sorrir alguém todos os dias já cumpri a minha missão. Talvez lá para os 40 perceba que isso pode ser mudar o mundo... diariamente.
E estas consciências só a experiência e as vivências nos vão dando.
Um abraço.

9:19 da tarde, outubro 21, 2006   Edit

Enviar um comentário

<< Home